Archive for novembro \29\UTC 2011

Ânima e Grupo de Teatro participam de Culto em Lindolfo Collor
29/11/2011

Nesta postagem confira trechos da reportagem publicada no site da Faculdades EST (www.est.edu.br). A reportagem tem por tema o culto de nossa comunidade com o Grupo Ânima e o Grupo de Teatro.

[O estudante de Teologia Marcelo Peter, que exerce funções pastorais na comunidade de Picada 48 Baixa, em Lindolfo Collor, conduziu culto no último dia 20 de novembro ao lado de 21 estudantes que integram o Grupo Anima e o Grupo de Teatro da Faculdades EST.

 “O espaço do culto serviu para aproximar a comunidade do nosso centro de formação, além de mobilizar os estudantes para uma maior inserção comunitária”, destacou Peter.

Durante a celebração, registrada pelo Estúdio Multimídia da EST, o Grupo Anima conduziu a parte musical e o Grupo de Teatro a liturgia da palavra, focada na história do Filho Pródigo (Lucas 15).

Marcelo Peter relata que atividades como esta servem para motivar a comunidade a participar, no dia 3 de junho do próximo ano, na cidade de Igrejinha, do tradicional Dia da Igreja do Sínodo Nordeste Gaúcho. Em 2012, o Sínodo conduzido pastoralmente pelo pastor Altemir Labes irá focar o Dia da Igreja em torno do Tema Histórias de Vida e Fé.

Jornalista Responsável: Micael Vier Behs

Confira Reportagem oficial em www.est.edu.br

Anúncios

Música e Teatro na Comunidade de Picada 48 Baixa
18/11/2011

Neste domingo, dia 20 de novembro, às 9 horas nossa comunidade vai celebrar culto de louvor e gratidão a Deus.

Neste culto contaremos com a participação especial do Grupo de Teatro da Faculdades EST que conduzirá a mensagem bíblica da celebração.

Também teremos a participação do Grupo Ânima, também da Faculdades EST, que conduzirá a celebração com hinos comunitários e músicas especiais do grupo que já está há mais de 4 anos em turnê, apresentando-se em comunidades da IECLB e também na Europa.

Neste culto iremos celebrar o Sacramento do Batismo, quando a comunidade recepcionará a inserção de mais dois novos membros no Corpo de Cristo.

Esta celebração é uma iniciativa da Comunidade de Picada 48, através de seu Presbitério, juntamente com a Faculdades EST da IECLB e com apoio do Sínodo Nordeste Gaúcho.

A nossa Comunidade de Picada 48 Baixa, localizada na Cidade de Lindolfo Collor – RS, com imensa alegria e de braços abertos convida você e sua família para participar conosco deste culto onde queremos meditar e refletir na verdade do Evangelho a partir da música e do teatro.

Marcelo Peter

em funções Pastorais

O Dia dos Mortos?
02/11/2011

Você está vivo? Claro que sim! Então por que falar em morte justamente com você?

Você pode até não concordar, mas a morte faz parte desta vida. A morte é uma das situações que mais abalam nossa vida. Qualquer um, diante da morte, percebe-se frente a uma grande incerteza. A morte gera perguntas e com elas buscamos respostas.

Nós, brasileiros, ainda não aprendemos a lidar com a morte. Normalmente nos conformamos em deixar a morte para o fim da vida. Falar em morte é tabu. Mesmo quando nos arriscamos a falar em morte, entramos em conversas abstratas.

Algumas correntes filosóficas (seitas) tentam controlar as mentes e os corações com a lógica fajuta e incoerente do “neo-platonismo”, onde se faz uma separação infantil e idiota entre corpo, alma e espírito.

Nós, seres humanos, somos ao mesmo tempo Comunidade e Indivíduo. Como Comunidade, integramos um grupo que se entende unido e firme na mesma fé e convicção de que Cristo Jesus é nosso Senhor e Salvador. Como indivíduos desta comunidade, temos particularidades e expressões de identidade. Na nossa identidade cristã pessoal somos INDIVÍDUOS, isto é, não somos divisíveis. Somos INDIVISÍVEIS!

Não temos corpo, alma e espírito, como se fossem ingredientes de uma receita de bolo. Não temos esses três elementos. Somos esses elementos indivisivelmente. Somos integralmente corpo, alma e espírito. Quando morremos, morremos integralmente. Nada fica. Nada permanece vagando ou perdido (terra à terra, cinza à cinza e pó ao pó).

A morte é o mesmo que dormir. Morrer é entrar em estado de sono profundo. Somos todos inseridos num estado de sono do qual somente Cristo pode nos acordar. No sono da morte, somente Cristo é o nosso despertador.

Por isso é tão importante viver e morrer com Cristo. Se com Cristo vivemos, com Cristo também morreremos e com Ele seremos ressuscitados do sono da morte para o “despertar” da vida eterna em seu Reino de mil anos de paz.

Mas, pra ser mesmo sincero, nós gostamos de fugir da morte. Parece que quanto mais afastamos a morte da realidade vida, tanto mais conseguimos fingir que a morte não existe. No entanto, para nós que somos Cristãos de Confessionalidade Luterana a morte é existente desde o nosso nascimento. A morte já inicia no Batismo.

Toda pessoa cristã de confissão luterana é batizada em nome de Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo. No Batismo morremos para o pecado e renascemos para a nova vida em Cristo Jesus. Martim Lutero, através das Escrituras, nos testemunhou que o Batismo é realizado uma vez na vida. Não obstante, sua ação se estende por toda a vida, em cada um de nossos dias. Por isso não dizemos que “fomos” batizados, mas que “somos” batizados.

O Batismo nos fala da morte e da vida. O batismo nos insere na vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo. Assim, desde o princípio de nossa nova vida em Cristo, quando morremos pela água do Batismo e somos renascidos desta mesma água, temos que aprender a lidar, falar e refletir sobre a realidade da morte.

De tal maneira, a morte é realidade presente. Precisamos aprender a falar da morte. Necessitamos compreender o que é morrer. Mas, não podemos fazer isto como meros especuladores. Não podemos analisar esta realidade nua e crua da vida sem os olhos da fé.

Somos cristãos, pertencemos a uma comunidade de fé, somos integrantes da Igreja de Cristo. De tal maneira, nossa percepção, reflexão e análise sobre o tema ‘morte’ deve sempre ser visualizada desde o horizonte da Ressurreição iniciada em Cristo Jesus na manhã da Páscoa.

Para compreender melhor essa esperança e essa fé, leia em sua Bíblia o que o Apóstolo Paulo escreveu em Romanos 8. 31-39.

Sem esse olhar amoroso e cuidadoso somos apenas tolos que vivem sem fé e sem esperança e nossa vida é inútil.  Entendendo a morte à luz da fé e da certeza na Ressurreição e na vida eterna somos consolados, confortados e fortalecidos pelo próprio Deus, que é Senhor sobre a vida e a morte. Amém!

Marcelo Peter

em funções Pastorais