Archive for fevereiro \21\UTC 2011

CULTO INFANTIL
21/02/2011

É fundamental que a criança cresça em estatura, sabedoria e espiritualidade. Melhor pra ela se nenhuma destas áreas for negligenciada. Para auxiliar os pais e mães no que se refere à espiritualidade de seus filhos e filhas, a Comunidade Evangélica de Confissão Luterana de Picada 48 Baixa, oferece o Culto Infantil. Queremos animar as crianças  (pais, mães, padrinhos e madrinhas) a considerarem com carinho a possibilidade de participarem nos encontros deste ano. Haverá Culto Infantil sempre no horário dos cultos das manhãs de domingo.

Na última sexta estiveram reunidas algumas das orientadoras do Culto Infantil e a comunidade agradece por sua disposição  em colaborarem neste importante ministério. Além destas que estão na foto abaixo, ainda auxiliarão Andréia Bauermann, Camila Roese e Giseli K.Kellermann, que não puderam participar da reunião. Na foto, da esquerda para direita: Cátia A. Herrmann, Cristine Dieter, Elsbeth Ahlert, Daiane Dieter, Daiane Kirchheim, Sandy D. Becker e Bruna Müller

Anúncios

OASE/2011
21/02/2011

Em grande parte das comunidades da IECLB há grupos de OASE-Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas. Na Comunidade da 48 Baixa não é diferente. Nosso grupo completa 50 anos em 2011 e conta com aproximadamente 80 membros. Neste último sábado, com o chá das aniversariantes de janeiro e fevereiro, iníciou-se oficialmente as atividades do ano de 2011. O próximo encontro será em 04 de março, no culto do Dia Mundial de Orações.

Retiro de Lideranças
17/02/2011

O Retiro das Lideranças da Comunidade Evangélica de Confissão Luterana de Picada 48 Baixa foi adiado para o dia 30 de abril e primeiro de maio. O encontro será no hotel Cavalinho Branco, junto ao lago São Bernardo em São Francisco de Paula.

Solicitamos que as lideranças que queiram inscrever-se possam fazer contato nestes próximos dias para buscar maiores orientações. O encontro se destina aos presbíteros e lideranças, inclusive da OASE.

Igrejas (mais) Abertas
09/02/2011

Templo Luterano. Puerto Varas/Chile

Em nossa recente viagem por Argentina, Uruguai e Chile tivemos a oportunidade de visitar vários templos em diversas cidades. Alguns realmente espetaculares. Outros, como a na Isla de Chiloé,  simplesmente maravilhosos. Também vimos templos luteranos. Aliás, vimos só por fora, pois as portas estavam trancadas.

Claro que estou ciente de que manter templos abertos o dia todo não é tarefa simples. Há muitos implicações. Hoje eu fui ao templo de nossa comunidade para deixar um livro. Me surpreendeu que estivesse fechado. Deveria estar aberto. Mas quem cuida, por vezes, prefere que fique fechado. Terá  as suas razões. Infelizmente, tenho chegado diante de muitos templos luteranos que não abrem durante a semana. Penso que é uma lástima, pois tem sua beleza. De outra parte, quantas pessoas,  membros da comunidade ou não, gostariam de entrar para ter um momento de descanso, oração e reflexão? Creio que deveríamos oportunizar os meios para que estejam abertos. Sempre há de ter pessoas, caso seja necessário,  que  revesar-se-iam em atitude de cuidado. Não pode ser tão difícil.

Bem mais difícil é uma outra “abertura” que se faz necessária. Em conversa com um cristão chileno, realmente envolvido com a vida comunitária,  eu ouvi esta observação, que tento traduzir: “A Comunidade Luterana de nossa cidade está muito diminuída porque já não há tantos descendentes de alemães e porque ela se fechou muito em si mesma”. Penso que uma outra abertura é importante e necessária. Sempre que nos fechamos e pensamos que os de fora são de fora e por isso têm de ficar de fora, nos encolhemos um pouco mais e reclamamos daqueles que os incluem. Esta abertura é muito mais difícil do que abrir portas aos domingos. Mas, nem por isso, menos importante. Quando uma comunidade coloca muitas regras pra quem quer entrar, acaba tendo que colocar muitas normas pra que não saiam todos. De minha parte, nosso templo e comunidade deverão ficar de portas abertas.  “Ninguém é tão bom que não necessite entrar; ninguém é tão ruim que não possa entrar. Cristo diz: “deixai vir a mim”!!

P. Rosemar

PARA REFLETIR
05/02/2011

“Não meça tua riqueza pelo dinheiro que tens. Meça tua riqueza por aquelas coisas que não trocarias por dinheiro”.

“No midas tu riqueza por el dinero que tienes, mide tu riqueza por aquellas cosas que no cambiarias por dinero”.

Frase anônima que lemos e fotografamos em um museu no sul do Chile.

Culto Infantil/Ensino Confirmatório.
05/02/2011

A Comunidade Evangélica de Confissão Luterana de Picada 48 Baixa (IECLB), informa que os encontros de Culto Infantil serão sempre no mesmo horário dos cultos das manhãs de domingo. O primeiro encontro será neste domingo, 06 de fevereiro, 9 h. Renovamos o convite e alertamos aos pais, mães, avós, padrinhos e madrinhas sobre a grande importância destes encontros para a criança.

Com relação ao Ensino Confirmatório(catequese) informamos que a inscrição dos novos deverá ser feita, preferencialmente, pouco  antes do culto do dia 26 de fevereiro. Estaremos aguardando a partir das  18.30 h. Podem ser inscritas as crianças que em 2011 completam 12 anos. Pedimos trazer certidão de batismo. O primeiro encontro para os dois grupos( 1º e 2º anos) , será no dia 05 de março, ás 9.30 h. Neste dia lhes entregaremos um calendário informando data e horário de  todos os encontros do primeiro semestre.  Comunicamos ainda que no dia 13 de março, 9 horas, os novos inscritos serão apresentados à comunidade em culto. 

P. Rosemar Ahlert

Muitos Caminhos
01/02/2011

Na vida há muitos caminhos. Também quando saímos da casa para conhecer um pouco deste grande planeta, chamado Terra.

A família teve a possibilidade de conhecer novos lugares e voltar a outros nestas férias de janeiro. No total rodamos cerca de 8.600 quilômetros por Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Se fosse o caso de fazer um balanço, eu diria que foi uma jornada muito feliz. Ainda assim, quero me referir a algumas particularidades.

Primeiro, os problemas: não é muito fácil, por vezes entrar ou sair da Argentina. Na ida ficamos uma hora e quarenta minutos na fila em Paso de Los Libres. Na volta foram 3 horas sob um sol escaldante e com temperatura que chegou aos 47 graus, para sair da Argentina, via Paysandu no Uruguai. Um argentino me disse em um Hotel em Tacurembó, (Uy) que ficou por 7 horas na fila. Vi idosos, crianças, famílias, sem saber como suportar aquele calor e penso ser um desrespeito das autoridades.  Não sei se o tal “Mercosur” não poderia regulamentar isso um pouco melhor. Nas demais aduanas, foi tranqüilo. Diante disso eu aconselho aos viajantes que não se desloquem nos dias do “Recambio Turístico” na Argentina. Nestas datas muita gente sai em férias e as dificuldades aparecem. Por exemplo, neste ano faltou combustível.

Nós tivemos algum estresse, pois como são imensas as distâncias por regiões semidesérticas, não é muito agradável chegar às estações de serviço (postos) e não achar a Nafta. Chegamos a aguardar que o caminhão descarregasse, ficando na fila por mais de 40 minutos. Também nos trouxe alguns contratempos o fato de os produtores de frutas da região de Neuquen estarem fazendo piquetes nas rodovias. Nada mais do que alguns desvios e, numa oportunidade, meia hora esperando a liberação da pista.

Ah, considere também a possibilidade de pagar imposto em “El Caminito” (Buenos Aires) para sentar na “rua”. Ocorre que os restaurantes colocam mesa na rua e cobram uma taxa pra poder ocupar o espaço. Claro que não avisam antes. Assim como cobram o tal “Cubierto”, coma você ou não.

Quanto ao mais só alegria.

È preciso falar das belezas da Região de Los Lagos no Sul do Chile. Especialmente Puerto Varas e Frutillar. Em Puerto Varas se come uma cuca alemã maravilhosa (Kuchen).  Em Frutillar há um Teatro (De Los Lagos) que vale mais de uma visita. Menciono as Belas Igrejas da Isla de Chiloé, o Vulcão Osorno, o Cerro Catedral entre outros tantos lugares.

Não Preciso falar de Bariloche, Vila Angostura ou Buenos Aires. Mas vou me referir a Azul (Ar). Não há por lá tantas belezas naturais, embora a cidade seja bem cuidada. Contudo, a simpatia e amabilidade daquela gente, nos marcaram.

E, com isso, chego ao que tenho de mais importante sobre esta viagem: a simpatia, a amabilidade e hospitalidade de nossos vizinhos de Argentina, Chile e Uruguai. De fato, foi impressionante como as pessoas nos trataram. Praticamente não se pode registrar uma única situação adversa. Isso me leva a sugerir que sempre tratemos da mesma forma uns aos outros, mas especialmente aqueles que visitam nosso país.

E, tenho que dizer, que desta feita não tivemos nenhum problema com a Polícia Argentina ou Chilena. Sempre foram corteses, não pediram nada além de documento e nos deram orientações preciosas. Claro, cuidei de não acelerar muito perto da fronteira Argentina onde tinha quatro radares móveis em pouco mais de cem quilômetros. Andei pouco mais lá pelas estepes, naquelas retas de perder de vista. Pode-se viajar sem medo, desde que se respeitem suas leis. Como, aliás, é devido. Ah, em todo este trajeto não vimos nenhum acidente ou carro acidentado. Nada!  Isso tem a ver com cuidado, capricho, respeito. Aliás, dirigir bem é uma arte.  E viajar, uma bênção. Somos gratos a Deus.