Archive for junho \25\UTC 2010

Imagens do dia a dia.
25/06/2010

Comunidade em Culto.

Venha visitar-nos. Será bem vindo, bem vinda.

Anúncios

LIÇÕES DA COPA
24/06/2010

Zebra duas vezes.

 Muita gente gosta de futebol. É o esporte mais popular do mundo. E, em tempos de mais uma edição da Copa do Mundo, há muita coisa pra se ver e ouvir. Boas e más notícias. Bons e maus exemplos.

            Destaque-se a alegria do povo sul-africano, as belas imagens dos embates e alguns frangos dos goleiros. Que, como dizem, seria culpa da bola da copa: a Jabulani. Mas,  faço um comentário sobre um episódio desta semana. Na noite deste dia 23 de junho ouvi e vi uma entrevista do capitão da  esquadra  italiana, Cannavaro. 

            Perguntado se temia perder diante da Eslováquia e ficar fora da próxima fase da Copa, ele respondeu em atitude pouco humilde, que não havia a menor chance de isso acontecer. “Veja a minha camisa, tem 4 estrelas. Nós somos acostumados a ganhar”. Pior é que não avisaram os eslovacos que não deram bola pras estrelas e mandaram a “ Squadra Azzurra” de volta pra Itália. Os Azzurri proporcionaram o 2º fiasco da Copa de 2010. O primeiro foi da França. Por coincidência, os dois  últimos campeões do mundo. A vida tem disso: ontem o “céu” e hoje o “inferno”.

             Que lições podemos tirar desses fatos? Sim, porque, sempre podemos aprender com as vitórias e tropeços dos outros. Penso que deve ficar claro para cada um de nós que não se pode desrespeitar a força dos outros, adversários ou não. Não se ganha jogo na véspera.

            Além disso, cabe frisar que não vivemos exclusivamente  de estrelas na camisa. Ou seja: de conquistas do passado. Embora as conquistas do passado, no trabalho, no estudo, no esporte, sejam muito importantes, serão esquecidas bem depressa se não lhes somarmos conquistas no presente.  De nada adianta a um motorista dirigir bem por 500 quilômetros se ele cochilar no volante a um quilômetro de casa.

             Além do que, cabe cuidar para não confundir auto estima com orgulho. Auto estima em alta nos faz bem, pois nos mantém confiantes e ativos. Orgulho em alta nos torna arrogantes e descuidados. No esporte o orgulho causa estrago porque subestimamos o oponente. Quanto maior o orgulho; maior o tombo. Quanto mais estrelas; tanto maior o estrago.

A Sagrada escritura nos alerta sobre o perigo do orgulho e nos aconselha a humildade:  “No lugar de serdes orgulhosos condescendei” . Rm 12.16. “O orgulho leva as pessoas à destruição”. Pv 16.18.  “É melhor ter espírito humilde” Pv 16.19a. Assim, cabe-me o cuidado de ter sempre presente que não sou melhor do que outros, que hoje posso estar em alta e amanhã posso cair. Mas,se for o caso,  com a graça  e com a ajuda de Deus sempre podemos levantar outras vez.

P. Rosemar Ahlert

DE PERNAS PRO AR
23/06/2010

Nesta semana, quando fazia uma caminhada por certa rua de nossa cidadezinha (Lindolfo Collor- 5.732 habitantes), observei uma destas cenas que merece reflexão e que nos atesta que algumas coisas estão “de pernas pro ar”.

Numa calçada estreita estavam três adolescentes conversando animadamente. Pelo caminho ia,  sem pressa, um idoso (teria 75?). Passos lentos, cuidadosos. Contudo, quando se chegou onde estavam os três menores, teve que desviar, descer com dificuldade pelo meio fio, seguir pela pista asfáltica  para depois retornar para a calçada.

Os adolescentes não só impediram a passagem como sequer se dignaram a olhar para o idoso.   Teriam eles um avô, ou uma  avó? Como a tratam? Creio que os pais e mães destes três desatentos não aprovariam a atitude de seus filhos. Ou será que aprovariam? Será que  lhes faltaram os bons conselhos, a orientação no sentido de respeitar mais velhos, pai e mãe, professores e professoras? Onde, na sua avaliação, erramos para que o idoso seja tratado com desrespeito? Sem falar dos bancos exclusivos, vagas para estacionamento, etc! Ora, uma sociedade que não respeita seus idosos, construtores do presente, terá  muito a lamentar.

Pois, da mesma maneira que hoje tratamos os mais velhos, poderemos ser tratados no futuro.

Penso que nunca é demais que pais, mães, educadores (as) insistam com as gerações mais jovens que por amor e por causa da fé evangélica, cabe cuidar da geração que cuidou de construir o  país no qual vivemos.

P. Rosemar Ahlert

A CRIANÇA E O CUIDADO
20/06/2010

Nossa sociedade se contorce em dores.     Há muita agressão contra a criança, adolescentes e jovens.

Diante de tudo isso, se faz cada vez mais necessário cuidar com firmeza e amor de nossas crianças. É mister prepará-las para tantas desafios e  armadilhas. Este assunto foi tema do culto deste domingo na  Comunidade Evangélica de Confissão Luterana de Picada 48 Baixa. Além dos batismos de Thomas da Silva Gaelzer, Ketlin Kauani Quinot Martins e Luís Fernando Kayser Saueressig, várias outras crianças receberam a bênção de Deus pelos 5 anos de batismo. Cuidemos da vida e das crianças, pois elas cuidarão do futuro da mesma maneira como hoje cuidamos delas.

Crianças - 5 anos de Santo Batismo

Comunidade em Culto

O Velho Supermercado e a Antiga Igreja
18/06/2010

Em uma cidade qualquer havia um velho supermercado. Ele já estava ali há mais de cem anos. Pertenceu sempre à mesma família. Não era muito grande. Mas todas as pessoas mais antigas da cidade sabiam seu nome e onde se localizava.  No passado era o único no bairro. Não havia concorrência e nem necessidade de modernização. ISSO 9 mil e alguma coisa, ou sei lá, um atendimento mais amistoso.

Sequer havia a necessidade de vender fiado. Nem mesmo precisava-se contar com os pobres. Havia pessoas de boas posses o suficiente para vir de longe naqueles belos carros de décadas passadas. Alguns velhos amigos do mercado diziam que tinha que ficar assim. Estava bom assim. Nem propaganda havia necessidade de fazer. Todos sabiam que o supermercado estava ali.

O proprietário dizia que seu supermercado não tinha necessidade de fazer promoções, sorteios ou coisas do gênero, pois a qualidade dos produtos estava acima de qualquer suspeita. A qualidade, a qualidade, a qualidade! Esta era a ladainha diária. Mudanças? Nem pensar! Certos produtos novos? Pare com isso: temos a melhor qualidade. Os outros é que estão errados. Vão quebrar com esta política de preços baixos, promoções e produtos de qualidade discutível. “Aqui não vendemos muamba do Paraguai”.

Não tardou e o velho e conhecido mercado começou a ficar cada vez mais vazio. Primeiro foram os clientes ricos que foram comprar nas novas redes lá no centro. Outros foram no concorrente que tem produtos fresquinhos e uma promoção diferente a cada dia da semana. Tem ainda aquele outro que entrega tudo em casa e não cobra frete. Depois foram os produtos que começaram a faltar. Em seguida o dinheiro deu adeus. Mas o proprietário não mudou. Continuou com seu velho discurso de qualidade e ficou sozinho, a casa vazia e a conta no vermelho. Então veio o inevitável: o velho centenário e conhecido mercado fechou as portas. Esta foi a única mudança que aconteceu por lá nos últimos tempos. Alguém, com outro discurso, tomará seu lugar.

Guardadas as devidas, necessárias e enormes diferenças, poder-se-ia fazer uma comparação com alguma antiga Igreja. Que, quem sabe, pudesse ter existido ou ainda exista. Claro que não se pode comparar uma Igreja com um supermercado. Seria sacrilégio. Nem o melhor dos supermercados pode ser comparado com uma Igreja. Os propósitos são outros. As pessoas vão com finalidades diferentes.

Mas, apenas fazendo um exercício de reflexão quase inútil, as pessoas que vão ao mercado são as mesmas que vão à igreja? É verdade que não vão com a mesma finalidade e nem com o mesmo desejo. No mercado busca-se o alimento para o corpo. Na igreja o alimento para a alma. Mas são, por vezes, as mesmas pessoas.

Como são as mesmas pessoas, poder-se-ia imaginar que por alguma estranha razão poderia haver algo em comum. As pessoas (a maioria delas) mudam e vão se adaptando aos novos tempos. Mesmo que, nem de longe, todas as mudanças sejam boas. Em muitos casos teria sido melhor não ter mudado. Mas, independentemente disso, as pessoas mudam. E, por haverem mudado os tempos e por haverem mudado as pessoas e circunstâncias, o mercado fechou. Fechou, ele mesmo, por não haver mudado. Não funciona a mesma lógica para a hipotética antiga Igreja?

O mercado não precisava ter mudado tudo. Poderia continuar com o mesmo nome. O endereço podia continuar inalterado. As paredes não precisavam mudar. Não precisava mudar de proprietário e nem deixar de vender seus produtos de qualidade (embora boa parte das pessoas esteja vivendo a cultura do barato e descartável). Bastaria que ele tivesse se adaptado em parte. Quem sabe uma filial um pouco mais perto do povo. Quem sabe teria ajudado muito se o proprietário tivesse sorrido algumas vezes. Tivesse dito: “bom dia, que bom vê-lo, belo dia.”. Não importa. Agora é tarde.

Voltando à Igreja: tal como o dono do mercado, os responsáveis pela antiga Igreja ficarão muito zangados se alguém cair na bobagem de propor alguma mudança. Ainda que, aos poucos. Dirão: “sempre foi assim, meu pai já trabalhou aqui; temos que guardar a tradição; não podemos cantar esses hinos; não nos afastaremos de nossa velha qualidade”.

Guardadas as diferenças e respeitada toda a história e a tradição, os tempo mudam. Assim como no caso do mercado, também na Igreja há coisas que não podem mudar: sua fidelidade à Sagrada Escritura, sua firmeza em apontar para o Cristo como Senhor, sua perseverança para anunciar que em Deus e em sua Graça reside nossa salvação, recebida mediante a fé. Há coisas que não podem, não devem mudar. Há um só batismo, uma só fé, um só Senhor. Um supermercado não pode vender caixões e nem uma igreja ilusões. Mas há algumas coisas que, ao mudar, ajudam a falar de maneira mais transparente e compreensível deste tesouro que temos em vasos de barro.

É preciso descer de alguns pedestais, de alguns morros. Não basta que todos saibam que a velha Igreja é lá no morro, É preciso que alguém desça e os reanime a subir. Que lhes diga que vale a pena subir. Que faça com que se sintam bem quando chegarem. Senão a história do mercado pode servir para a Igreja antiga. Bonita e conhecida, mas vazia e triste. Ela precisa estar sempre em reforma. Muito embora nunca deva deixar de ser o que é.

Rosemar Ahlert.

Missão Criança
15/06/2010

Dentro do Programa Missão Criança, estaremos celebrando neste próximo domingo o Culto com Bênção para as Crianças que neste ano completam 5 anos de Batismo. O Culto inicia às 9 horas. Animo pais, mães, padrinhos e madrinhas para que venham e tragam seu filho (a)  até a Igreja para agradecer pela vida, pela proteção e para rogar a Bênção de Deus para a criança e para toda a família.

P. Rosemar

"Deixai vir a mim os pequeninos"

FALECIMENTO
14/06/2010

A Comunidade Evangélica de Picada 48 Baixa comunica com pesar o falecimento de Werno Bauermann, hoje ocorrido aos 83 anos. O sepultamento dar-se-á no dia de amanhã, 15 de junho, às 10 h no cemitério da comunidade. Aos familiares e amigos as nossas condolências.

ABRAÇO DADO
12/06/2010

“Um abraço dado de bom coração, é como uma bênção dada pelo irmão”. Assim diz uma canção bem conhecida em nossa comunidade. O abraço de bom coração é sempre um caminho de duas vias, pois damos e também recebemos.

OASE- nesta semana

Por vezes é necesário superar grandes “distâncias” para abraçar um vizinho ou conhecido. Mas, quando acontece o acolhimento do outro e a reconciliação se torna possível, o próprio Deus se junta no abraço.

Grupo de Capivarinha

CONFIANÇA EM DEUS
12/06/2010

O texto abaixo está presente em vários livros e também na Internet. O Autor é desconhecido. Boa leitura. P. Rosemar.

Contam que um alpinista, desesperado por conquistar uma altíssima montanha, iniciou sua escalada depois de anos de preparação. Como queria a glória só para ele, resolveu ir sem companheiros. Durante a subida foi ficando tarde e mais tarde, e ele não havia se preparado para acampar, sendo que decidiu seguir subindo… e por fim ficou escuro. A noite era muito densa naquele ponto da montanha, e não se podia ver absolutamente nada. Tudo era negro, visibilidade zero, a lua e as estrelas estavam encobertas pelas nuvens. Ao subir por um caminho estreito, a apenas poucos metros do topo, escorregou e precipitou-se pelos ares, caindo a uma velocidade vertiginosa. O alpinista via apenas velozes manchas escuras passando por ele e sentia a terrível sensação de estar sendo sugado pela gravidade. Continuava caindo… E em seu angustiante momento, passaram por sua mente episódios felizes e outros tristes de sua vida. Pensava na proximidade da morte, sem solução… De repente, sentiu um fortíssimo solavanco, causado pelo esticar da corda na qual estava amarrado e presa nas estacas cravadas na montanha. Nesse momento de silêncio e solidão, suspenso no ar, não havia nada que pudesse fazer, e gritou com todas as suas forças. – Meu DEUS, me ajuda!!! De repente, uma voz grave e profunda, vinda dos céus lhe respondeu: – QUE QUERES QUE EU TE FAÇA? – Salva-me meu DEUS! – REALMENTE CRÊS QUE EU POSSO SALVÁ-LO? – Com toda certeza SENHOR! – ENTÃO CORTA A CORDA NA QUAL ESTÁ AMARRADO… Houve um momento de silêncio, então o homem agarrou-se ainda mais forte na corda. Conta a equipe de resgate que , no outro dia encontraram um alpinista morto, congelado pelo frio, com as mãos agarradas fortemente a corda… …A APENAS DOIS METROS DO SOLO… * * * * * E você, cortaria a corda? As vezes precisamos tomar decisões que testam a nossa fé em DEUS. E você? Que está tão agarrado as cordas, te soltarias? Devemos, diariamente exercitar nossa confiança em DEUS, lembrando-nos sempre que “O SENHOR NOSSO DEUS NOS SEGURA PELA MÃO E NOS DIZ: NÃO TEMAS, EU TE AJUDO” (Is 41.13)

“Vestir-se” de Deus
06/06/2010

Ivone na entrega do Livro

Neste domingo frio de junho, a Comunidade Ev. de Picada 48 Baixa reuniu-se em culto para refletir sobre o tema “Vestir-se de Deus”.

Nos parece que a sociedade de maneira geral necessita “vestir-se” mais de Deus. Acolher mais o Espírito da vida, verdade e justiça. Defendemos uma espiritualidade diária, comprometida, exercitada. Soluções mágicas e imediatistas podem parecer eficazes, mas de nada adianta se a “casa” fica vazia. A Espiritualidade necessita do alimento diário: oração, leitura do Evangelho, meditação, louvor,  comunhão, serviço!

Comunidade na Leitura Bíblica

Neste Culto a Professora aposentada, Ivone Noé,  membro da Comunidade e moradora de Novo Hamburgo/RS, fez comovente testemunho de fé. Falou do seu  amor pela comunidade e do “brilho nos olhos” daqueles que participam das celebrações. Também entregou um exemplar do livro que escreveu e que conta a história de sua família e, com isso, da Picada Capivara e Picada 48 Baixa, hoje Município de Lindolfo Collor/RS

Também recebemos como novos membros a Naivo Luis Prediger, Nilce Marli Prediger, Daniel Prediger(Adesão à IECLB), Márcio Marcelo Kollet, sua Esposa e filhas (Transferência desde Crissiumal/RS). Lhes damos as melhores boas vindas.